shop-cart

Outras Edições

______________________________________________________________________________

LIVROS

Carlos Taibo, 2019.

Colapso – Capitalismo terminal, transição ecossocial, ecofascismo

Letra Livre / Jornal MAPA 

Uma lúcida e acutilante análise desse horizonte provável que é o Colapso, como consequência dos tempos que correm. Taibo analisa as causas do fenómeno – as alterações climáticas e o esgotamento de matérias-primas – e esboça a emergência previsível da sociedade pós-colapso. Carlos Taibo é autor, editor e professor de Ciência Política na Universidade Autónoma de Madrid. Colapso é a sua primeira obra traduzida e editada em Portugal. Pedidos na Letra Livre.

 

 

Andrea Mazzola, 2020. Ilustrações de Tidi.

Transumano Mon Amour – Notas sobre o Movimento H+

Jornal MAPA em colaboração com A Batalha, Ardora, Barricada de Livros, BOESG, CCL, Maldatesta e Tortuga.

Reunindo textos inéditos e outros publicados no Jornal MAPA, Mazzola discute a história do movimento transumanista (H+) e a sua configuração contemporânea. Andrea Mazzola é doutorando no Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa e colabora assiduamente com o Jornal. Pedidos para geral@jornalmapa.pt.

 

______________________________________________________________________________

DISCOS

C.O.M.A., 2021.

VIVER / FESTA

Re-edição da tape VIVER / FESTA dos C.O.M.A., um colectivo hip hop de Carcavelos de finais de 1990, originalmente editado em 1998. A crueza libertária da mensagem não perdeu actualidade. Esta re-edição reverte para o Jornal MAPA. Pedidos no BandCamp do Jornal MAPA ou geral@jornalmapa.pt.

 

musica sem filtros

MÚSICA SEM FILTROS (vol.1), 2021.

Música Sem Filtros (vol.1) é a primeira do que se pretende que sejam várias compilações de diferentes artistas e projetos que se identificam com o MAPA, revertendo as receitas desta compilação para o jornal, descarregando as músicas através da página no Bandcamp.  Nesta compilação encontras o rap de Karlon Krioulo, Calla La Orden, Bruce Gee e Boss, juntamente com a rudeza de Scúru Fitchádu, o punk rock de Anarchiks, Albert Fish, Sharp Knives e o reggae de Freddy Locks.