Controlar o espaço através da dor

18 de Maio de 2017
Partilha
Tags
Print Friendly

 

Cortar os limites da nossa pele pode servir para proteger os limites de uma propriedade, de uma prisão ou de uma fronteira.”

Reviel Netz, Barbed Wire: An Ecology of Modernity (2004)


O arame farpado é um símbolo da silenciosa e ubíqua privação de liberdade. A sua história permite pensar o papel do controle do espaço nas formas de dominação contemporâneas, onde a biopolítica e a geopolítica se fundem, facultando uma análise sobre as lutas pelo poder em torno do controle do meio-ambiente e dos corpos que nele vivem (controle de fluxos migratórios, planificação do território, gentrificação de espaços urbanos, etc.).

No livro Barbed Wire: An Ecology of Modernity (2004), o historiador Reviel Netz encara o arame farpado enquanto ferramenta para a reconfiguração do espaço através da dor. O seu desempenho infame é descrito como uma história ambiental do impedimento do movimento através de uma tecnologia rudimental mas omnipresente, apresentada como um paradigma da modernidade. Em particular, Netz defende que a modernidade foi moldada pela gestão centralizada do movimento em larga escala, o que foi funcional tanto para a exploração económica quanto para a dominação política em todo o planeta. Barbed Wire é dividido em três capítulos que tratam, respectivamente, o uso agrícola, militar e repressivo do arame farpado, entre 1874 e 1954. O primeiro capítulo, Expansion, estuda o arame farpado como um dos agentes-chave da profunda transformação ecológica da grande planície norte-americana no final do século XIX, quando foi inventado para evitar o movimento das vacas no oeste dos Estados Unidos. Netz analisa como a conquista do oeste significou o extermínio dos búfalos e dos índios e a sua substituição pelas vacas e colonos euro-americanos, bem como a introdução de uma economia capitalista que reorganizara a região no interesse das elites dos centros urbanos do norte East Coast, os vencedores da Guerra Civil norte-americana. O arame farpado surgiu no decorrer do processo de uma maciça e rápida colonização devido aos conflitos suscitados pela coexistência entre a pecuária extensiva e a agricultura intensiva. Se inicialmente foram as plantações a ficarem vedadas, para impedir que fossem devastadas pelo gado que andava solto, não demorou muito para que se resolvesse passar ao encerramento das vacas nas cercas das fazendas.

O segundo capítulo, Confrontation, descreve como, no virar do século, o arame farpado viu as suas funções multiplicarem-se, sendo adotado para impedir o movimento dos seres humanos em contextos de guerra colonial. Na rápida expansão agrícola à escala mundial o arame farpado, graças à sua leveza, flexibilidade, custo e consequente produção em massa, permitiu que fosse usado em conflitos entre os antigos poderes locais e as novas potências invasoras, como foi o caso da Guerra dos Bôeres de 1899-1902. Finalmente, a combinação de arame farpado e metralhadoras, testada nas trincheiras da Manchúria durante a Guerra Russo-Japonesa de 1904-1905, culminou com a estática apoteose dos quatro anos de massacres da Primeira Guerra Mundial.

O terceiro capítulo, Contention, analisa o nascimento do campo de concentração. O arame farpado foi usado em vários conflitos para o controle de civis inimigos e de prisioneiros de guerra, tornando-se uma peça central na gestão da repressão política e social na União Soviética e na Alemanha nazista. É neste terceiro capítulo que os paralelos entre a história dos humanos e a história dos animais se tornam mais explícitos e mais ameaçadores. Os campos de concentração, onde a carne humana foi coisificada, limitando o seu movimento a um espaço cada vez menor, são comparados às gaiolas e cercas para os animais. Segundo Netz, tanto a vida dos presos como os currais eram o produto do mesmo sistema técnico de controle do espaço mediante a dor. Em ambos os casos, estamos perante as vítimas da ecologia política moderna, em que orgânico e o inorgânico se emaranham numa interdependência indissociável.

Ao longo do livro de Netz, o arame farpado é analisado como o principal protagonista de uma inversão topológica típica do nosso período histórico: certos pontos num plano, e as linhas que os conectam, levaram ao controle de grandes superfícies, com os corpos forçadamente confinados e controlados em lugares isolados, únicas áreas onde lhes é permitido mover-se. A este respeito, o arame farpado, enquanto tecnologia de gestão biopolítica do espaço, permitiu definir de forma rápida, barata, eficaz e em grande escala, um interior e um exterior, quem está incluído e quem está excluído. Por exemplo, num primeiro momento, os euro-americanos controlavam alguns pontos (os fortes) e algumas linhas (estradas e ferrovias) das grande planícies, enquanto que os índios e o gado se moviam livremente em todo o plano. O arame farpado alterou essa situação, encerrando os indígenas nas reservas e as vacas nos currais. Um outro exemplo da mesma dinâmica foi a guerra dos Bôeres na África do Sul. Os britânicos, a partir de cidades e caminhos de ferro, como pontos e linhas num plano, terão como objetivo o controle de todo o território por onde os guerrilheiros bôeres se moviam livremente. Foi com estes elementos topológicos, implantando arame farpado ao longo dos trilhos ferroviários, que os britânicos conseguiram quadricular o território, encurralar a população civil e internar os rebeldes em campos de concentração.

Ao longo do livro são abordados sob este foco eco-político a guerra química, a invenção do tanque, as origens do conflito israelo-árabe, a arquitectura dos campos de extermínio nazis, a colectivização agrícola soviética, o crescimento e declínio da cavalaria na Europa ou a estreita relação que houve ao longo da história entre agricultura e guerra.

Netz, professor na Universidade de Stanford, é um dos historiadores mais destacados e originais da matemática helenística (Netz, 1999). Foi precisamente o seu interesse pelas práticas materiais da geometria dos antigos gregos que o fez adoptar um olhar topológico sobre os processos de sangrenta reconfiguração da ecologia humana. De acordo com Netz, a história é uma dinâmica de interacção entre corpos em movimento no espaço. Portanto, com os seus corpos e desejos, os animais também pertencem à nossa paisagem social, são actores históricos e vítimas dos dispositivos biopolíticos que, alicerçados na dor, transcendem as fronteiras entre espécies. Pois, Barbed Wire é uma história de como a dor em grande escala foi utilizada para prevenir a livre circulação dos corpos e de como, em consequência disso, tem sido utilizada para aumentar a exploração económica e o despotismo político. Em suma, Barbed Wire representa um estímulo para repensar a história económica, ecológica e política do século XX não apenas em termos do aumento da circulação, como, inversamente, em termos do impedimento do movimento, com indefectível empatia e solidariedade para com as vítimas da violência autoritária. Faltou-lhe desenvolver uma análise do papel do arame farpado na segunda metade do século XX, em contextos de segregação racial, de classe e noutros usos que marcam a biopolítica contemporânea. Para colmatar esta lacuna consulte-se o livro de Olivier Razac, Histoire politique du barbelé (2009), que inventaria os seus múltiplos empregos, num subtil equilíbrio entre a eficiência do instrumento securitário e a sua aceitabilidade simbólica, dialogando com as análises do poder disciplinar de Foucault e das sociedades de controle de Deleuze: “As formas atuais da violência política reconhecem-se menos pela sua intensidade manifesta do que pelos seus meandros refinados”.

κοινωνία

About the Author

Comentar

XHTML: Podes usar estas tags html: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>