Piratas vs Corsários!

14 de Maio de 2017
Print Friendly

Metaneiro para GNL (Gás Natural Liquefeito) atacado no Golfo da Guiné!

Vou defender a França, seus interesses vitais, a sua imagem, a sua mensagem. E me comprometo diante de vocês: vou defender a Europa, a comunidade de destinos que se deram os povos do nosso continente. É a nossa civilização que está em jogo. A Nossa maneira de sermos livres.”     –     Emmanuel Macron (1)


A França é um dos países europeus mais interessado no comércio de gás natural importado para a Europa, porque será um dos maiores distribuidores, e é também um dos países fortes da União Europeia e da NATO. O discurso do novo presidente francês deixa antever uma liberdade a ferros. “A Nossa maneira de sermos livres” nunca foi, e ainda não o é, em relação a outros povos fora da “comunidade de destinos” livre de superioridade moral, superioridade ética e tecnológica. A forma como construímos a nossa civilização depende de fontes de energia, que está a tornar este mundo insustentável ambientalmente e socialmente. A principal fonte de energia global impingida para o séc. XXI é o gás natural não convencional, e a Europa aposta forte na sua independência energética. Ao nível ambiental o debate é geral. E ao nível social? O subsolo do mar será o futuro depositário de recursos naturais a explorar em larga escala pelas multinacionais, desde fontes de energia, a minerais, como lítio, cobre, e organismos para biotecnologia. A Europa está preparada. E os “outros”?

Em 2016 a NATO dava como terminada com sucesso a operação “Ocean Shield”, iniciada em 2008, com o objetivo de proteger a navegação no Oceano Índico Ocidental de piratas, na costa da Somália, que durou 6 anos. Mas…

No passado dia 11 de Maio o super-metaneiro La Mancha Knutsen, ao serviço da Gas Natural Fenosa, de Espanha, para transporte de GNL, foi atacado por piratas no Golfo da Guiné, a Sul da Nigéria.

Segundo o site de informação marítima Maritime Herald (2), o metaneiro foi perseguido por um pequeno barco com pelo menos 7 homens armados a bordo. Depois de dado o alarme, o capitão do navio realizou manobras evasivas para evitar que os piratas conseguissem subir a bordo. Os piratas ainda dispararam contra a torre do navio, mas acabaram por abandonar o ataque e voltaram para terra, sem haver feridos ou estragos materiais. Ao contrário do que algumas empresas começaram a praticar, este navio não levava “seguranças”.

O La Mancha Knutsen tinha saído do porto de Aliaga, Turquia. O navio pertence ao consórcio Trygve Seglem e à NYK, e foi construído pela Hyundai Heavy Industries na Coreia do Sul.

A Turquia que está nos olhos do mundo pelas piores razões, pode entrar para a União Europeia. Segundo um relatório de 2014 do Parlamento Europeu:

“Enquanto os EUA tem um abastecimento abundante de gás barato devido à “Shale Revolution”, a UE permanece dependente da importação de gás. A crise na Ucrânia levantou preocupações sobre a segurança do fornecimento de gás para a Europa. A Europa está bem conectada aos seus principais fornecedores de gás através de uma rede de gasodutos, mas existem planos para novos gasodutos para transportar gás da Região Cáspia, e mais tarde talvez do Iraque e irão para a Europa pela Turquia e Itália.” (3)

Estes planos são alternativa ao abastecimento de gás pela Rússia à Europa, que lhe viu negada a construção de um novo gasoduto que ligaria os Balcãs e a Áustria por não respeitar as regras de mercado da União Europa.

“Se a adesão da Turquia fracassar, isso dever-se-á não aos europeus, mas “à falta de vontade dos turcos de aplicar os padrões europeus” (presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker ao jornal alemão Bild).

O metaneiro será o primeiro dos 4 barcos tipo LNG Knutsen que vai entregar gás natural, grande maioria gás de fracking em Espanha (4), vindo do terminal de GNL Sanine Pass da Chenier Energy, Louisiana, EUA. A entrega faz parte de centenas previstas a partir de Agosto deste ano como parte do contracto com duração de 20 anos. Segundo o site thefreeonline.wordpress, alguns carregamentos chegaram antes do período iniciado pelo La Mancha Knutsen. O contracto para a importação de gás natural vindo dos EUA da Gas Natural Fenosa é semelhante ao da EDP.

A civilização, e o coração da Europa, têm sido atacados por piratas, terroristas… e refugiados. Os piratas e terroristas são os que não conseguiram ser refugiados; todos são reféns de um sistema global que alimenta guerras civis nas suas terras, utilizando-os como recursos humanos, no local ou espalhados pelo mundo. Os piratas, ex-pescadores, que viram o seu mar a servir de aterro para lixo ocidental, lixo tóxico que matou os peixes que os alimentava, forçados pela fome e muitas vezes por grupos paramilitares armados com tecnologia ocidental, levam a cabo resgates em troco de recompensa monetária pela carga dos navios. Nos navios, pais e filhos (piratas) contra pais e filhos (tripulação) estão pelo mesmo objetivo: sobreviver e voltar para casa. Na tomada de decisão de qual o destino de ambos (dependente do interesse na carga), estão os senhores de bem, imperadores e herdeiros contra imperadores e herdeiros (capital); o destino de piratas e tripulação foi variado, mas o destino dos corsários ao serviço de impérios foi exatamente como ensinam na escola: Fraternidade; Igualdade; Liberdade! (Globalização)

J. Vinagre

  1. Discurso de tomada de posse de Emmanuel Macron como presidente da República Francesa em 2017.
  2. http://www.maritimeherald.com/2017/spanish-lng-carrier-la-mancha-knutsen-attacked-by-pirates-in-gulf-of-guinea/
  3. http://www.europarl.europa.eu/RegData/etudes/BRIE/2014/542167/EPRS_BRI(2014)542167_REV1_EN.pdf
  4. Ainda não se sabe onde vai ser a entrega do GNL. A refinaria mais provável será a de Barcelona, que tem bastante espaço de armazenamento, mas esta é só uma das 7 refinarias adaptadas para tratar e distribuir o gás em Espanha.

 

About the Author

1 Comentário
Have Your Say

Comentar

XHTML: Podes usar estas tags html: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>